Roda de fiar fumo, raridade nos tempo atuais, mas já teve sua importância

Roda de fiar fumo, raridade nos tempos atuais, mas que ajudou muitos agricultores, a organizar o produto para comercialização.

Conheça o Fumo

O fumo , ou tabaco (Nicotiana tabacum) é uma planta nativa das Américas e tem importante papel na economia brasileira. O país é, inclusive, o 2º maior produtor da planta, perdendo apenas para a China.  A região Sul é a maior produtora e o estado do Rio Grande do Sul responde por mais de 40% da produção nacional.

O principal uso da planta é para a confecção de cigarros,  elaboração de charutos e cachimbos.  O fumo é também usado para produção de defensivos agrícolas, reduzindo o uso de defensivos químicos.

Para chegar ao ponto de ser usado, o fumo passa por uma série de etapas. As folhas de fumo precisam ser transformadas em uma corda (daí a expressão fumo de rolo); é nessa forma que o fumo será usado.

Etapas da preparação do fumo

Inicialmente, as folhas verdes são colhidas e colocadas em pindobas (estruturas feitas com uso de lascas de bambu; colocadas aos pares, com uma fenda entre elas).

Nessa fenda, a base da folha de fumo é inserida de modo que a folha possa secar sem ficar uma sobre a outra (o que aumenta a incidência de mofos).

Aqui entra uma outra curiosidade: há vários tipos de folhas, com diferentes valores comerciais. Por exemplo, as primeiras folhas que se colhem (aquelas localizadas mais próximas do chão) são chamadas de “baixeiro” e têm um valor comercial inferior quando comparadas àquelas que são colhidas das partes mais altas da planta, conhecidas como “ponteiro”.

Cabe destacar que a colheita da folha deve ocorrer somente quando ela está madura no pé, o que somente a experiência do dia a dia ensina. Uma vez secas, as folhas são levadas às destaladeiras, que são pessoas que retiram quase todo o talo central da folha.

Conheça a Roda de fiar fumo

As folhas de fumo são colocadas de tal modo neste equipamento, que elas vão se transformando em uma corda.  Enquanto uma pessoa vai alimentando o equipamento, outra vai tocando uma manivela para que o eixo central gire e a corda de fumo vai sendo formada.

Em muitos locais, a fiação do fumo (ato de transformar as folhas em corda) é feita manualmente. O fiador normalmente tem bastante habilidade para torcer as folhas na mão e a confeccionar a corda.

Na forma de corda, o fumo é enrolado em uma peça de madeira com extremidades afiladas – o pau de fumo. Aí vem outro trabalho: todos os dias é preciso passar a corda para outro pau; o que o pessoal do campo chama de “dar vira no fumo”.

Tal processo é realizado com auxílio de outro equipamento de madeira: o macaco de virar fumo.  Trata-se de uma peça de madeira, que gira em torno de seu eixo, com duas aberturas, onde o pau de fumo é colocado. Enquanto uma pessoa gira o macaco, outras duas vão passando as cordas de fumo para outro pau, que vai sendo girado com auxílio de uma manivela.

Assim, as cordas que se encontravam mais no interior ficam mais na superfície e vice-versa. Cada pau de fumo é colocado em pé, apoiado em um suporte, tomando sol durante o dia. Esse processo dura aproximadamente 90 dias e é importante para tirar o líquido viscoso escuro (visgo) do fumo, de modo a sobrar somente a massa vegetal seca.

Somente depois disso, é que se tem o fumo de rolo. Triturado, tem-se o fumo usado na produção de cigarros, nos cachimbos e charutos, como é encontrado nos mercados de todo mundo.

Onde encontrar a roda de fiar fumo?

Há algumas roças que ainda utilizam o equipamento, mas ela é encontrada mais facilmente em museus da zona rural e em casas que ainda preservam a tradição dos antepassados.

Roda de Fiar fumo

Pé de fumo

Rolo de fumo

Be the first to comment on "Roda de fiar fumo, raridade nos tempo atuais, mas já teve sua importância"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.