Urutu-cruzeiro, uma das mais belas e conhecidas serpentes do Brasil

Rate this post

A urutu-cruzeiro (Bothrops alternatus), também conhecida simplesmente como cruzeira, é uma das serpentes mais conhecidas do território brasileiro. Por ter uma ampla distribuição geográfica, que abrange estados do sul, sudeste e centro-oeste do Brasil, ela é uma serpente que causa acidentes com humanos com certa frequência, mas de grande importância médica e ecológica.

Urutu-cruzeiro (foto: https://exotic-venom.tumblr.com)

Descrição

Por ser uma serpente, termo que se refere a animais rastejantes, que não possuem patas, a cruzeira possui algumas características básicas comuns a todas as serpentes; tais como: ausência de membros, presença de língua bífida, ausência de pálpebras móveis nos olhos, e mandíbulas que não são fundidas; o que confere grande capacidade de abertura bucal.

Todavia, a urutu se caracteriza por seu tamanho relativamente grande, que pode chegar a 1,7 metros de comprimento, e também por ser um animal pesado; o que faz com que sua mobilidade seja mais lenta; embora não seja tão grande quanto as espécies de jiboias. Além disso, como seu próprio nome sugere, é uma serpente que normalmente apresenta uma imagem de cruzeiro, que pode ou não ser formada no topo de sua cabeça, e que lhe confere seu nome popular. Já ao longo de seu corpo, é possível enxergar desenhos na forma de ferraduras escuras, entremeadas em um fundo normalmente marrom.

Assim como as demais representantes do gênero Bothrops, no qual também se encontra a famosa jararaca, a urutu-cruzeiro faz parte da família Viperidae. Dentre suas principais características, encontra-se a dentição do tipo solenóglifa; a qual consiste na presença de um par de glifos, que são dentes inoculadores de venenos, altamente móveis e articulados, que lhe conferem o título de peçonhenta.

Cruzeira (foto: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Urut%C3%BA-cruzeiro_(Bothrops_alternatus).jpg)

Hábitos da Urutu-cruzeiro

A cruzeira, assim como as demais serpentes, é uma espécie carnívora, que se alimenta preferencialmente de mamíferos; como gambás, capivaras, dentre outros. Contudo, para a captura de suas presas, sua visão não tem grande contribuição, visto que as serpentes não são capazes de enxergar detalhes.

Desse modo, conta com um artefato de grande importância: a fosseta loreal. Esta estrutura, localizada entre o olho e a boca do animal tem função termo-sensitiva, que auxilia na detecção de suas presas, visto que mamíferos são animais homeotérmicos, popularmente conhecidos como de “sangue quente”. Além disso, sua língua bífida é de grande importância, visto que permite a captura de partículas de cheiro, que são introduzidas no nariz interno desses animais; chamado de órgão de Jacobson.

No que se refere à reprodução, a urutu-cruzeiro é uma espécie vivípara; ou seja, capaz de dar origem a filhotes que se desenvolvem dentro da fêmea. Esta, por sua vez, possui um tamanho maior que o macho, visto que deve ser capaz de abrigar seus filhotes em desenvolvimento; ao passo que os machos devem ser mais ágeis para a maior ocorrência de acasalamentos.

Urutu-cruzeiro, uma das mais belas e conhecidas serpentes do Brasil (Foto: https://pt.wikipedia.org/wiki/Urutu)

Importância médica e ecológica

Por ser uma serpente peçonhenta, é necessário ter bastante cautela ao avistar uma urutu-cruzeiro. Por ter um veneno relativamente forte, acidentes graves podem ocorrer, e se não tratados, podem ser fatais. Desse modo, dor intensa, edema, hemorragia e necrose, são algumas possibilidades de sintomas cuja aparição dependem do tipo de acidente, e da presença ou não de tratamento. Com isso, em caso de acidente, deve-se procurar atendimento médico o mais rápido possível para obter maiores chances de sucesso no tratamento.

Contudo, vale ressaltar que, assim como outras serpentes peçonhentas, a cruzeira é considerada um dos animais medicinais. Isso se deve ao fato de existirem pesquisas que comprovam a capacidade da toxina do veneno da urutu-cruzeiro de regenerar tecidos lesionados e também por possuir ação cicatrizante. Portanto, ela vem sendo muito pesquisada para a produção de medicamentos para o tratamento de diversas patologias, dentre cujas consequências estão a vascularização inadequada, tal como o diabetes e o infarto.

Além disso, como as demais serpentes, essa espécie é de grande importância para a manutenção do equilíbrio ecológico e para o controle populacional de diversas espécies, que podem, porventura, se tornar pragas.

Cruzeira (foto: https://www.flickr.com/photos/ferrarezi1/36865723226)

Be the first to comment on "Urutu-cruzeiro, uma das mais belas e conhecidas serpentes do Brasil"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.