Boipeva, serpente não peçonhenta comum na Mata Atlântica

Dentre a vasta e diversa fauna brasileira, existem diversas espécies de serpentes que são classificadas em peçonhentas ou não peçonhentas. Dentre as não peçonhentas, que é um grupo ainda não tão conhecido, existem algumas espécies mais famosas, como as sucuris e as jiboias; mas existem também algumas outras espécies, como a boipeva (Xenodon merremi).

Também conhecida como cobra-chata e capitão-do-mato, essa espécie é encontrada em diversos países da América do Sul; sendo que, no Brasil, é frequente em quase todas as regiões, com exceção da região norte; sendo uma típica habitante dos biomas de Mata Atlântica, Caatinga, Cerrado e até mesmo nos pampas.

Boipeva (foto: Mateus Figueiredo – Museu de Zoologia UFV – https://pt.wikipedia.org/wiki/Xenodon_merremii)

Conheça um pouco mais sobre a espécie

Assim como as demais espécies de serpentes, a boipeva é um réptil da ordem zoológica Squamata, onde estão classificados os lagartos, serpentes e cobras de duas cabeças. E, para quem não se lembra muito bem o que são as serpentes, vamos dar uma revisada: serpentes são répteis de corpo alongado que possuem membros anteriores ou posteriores, e que é recoberto por escamas. Além disso, esses animais impressionantes se caracterizam pela ausência de pálpebras móveis nos olhos, o que não lhes dá a capacidade de piscar; e pela presença de uma língua bífida.

Contudo, algumas características da cobra-chata são bem peculiares, como seu porte médio, de modo que seu comprimento não ultrapassa 1,5 metros; além de sua coloração bastante diversificada, que pode variar de tons de marrom, ao cinza e até mesmo aos tons mais avermelhados. Além disso, sua região ventral possui coloração mais clara, e os indivíduos podem apresentar formas geométricas de trapézios ao longo de seu corpo.

Uma outra curiosidade interessante sobre a boipeva consiste no fato de que sua dentição é do tipo áglifa, de modo que não há presa inoculadora de veneno; sendo, portanto uma serpente não peçonhenta. Contudo, é importante lembrar que, mesmo sem peçonha, ela é capaz de dar botes e de morder quando se sente ameaçada.

Boipeva (foto: Rafael Scherrer Mathielo – https://www.herpetocapixaba.com.br/post/boipeva-a-cobra-de-merrem)

Hábitos da Boipeva

De distribuição bem ampla, essa serpente é encontrada tanto em áreas mais abertas, quanto em áreas alagadas; sendo, portanto, uma espécie de hábitos semiaquáticos. Além disso, a boipeva é uma serpente que possui atividades predominantemente diurnas e crepusculares; e, como todas as espécies de serpentes, é uma espécie carnívora.

Desse modo, a cobra-chata tem uma dieta relativamente restrita, se alimentando exclusivamente de anfíbios anuros, sendo mais frequente a alimentação por sapos. Em razão de não ser um boídeo, como as jiboias, a boipeva não mata por constrição, mas perfurando o pulmão dos anfíbios que são capturados por ela. Em termos reprodutivos, trata-se de uma espécie ovípara, ou seja, que coloca ovos onde se desenvolvem os filhotes; sendo que, em uma ninhada, podem ser gerados até 40 novos indivíduos.

Uma curiosidade bem interessante sobre a cobra-chata consiste em um dos modos pelos quais ela tenta se defender: ela se achata sobre o chão, e começa a dar botes e a morder. Isso explica o porquê de um dos nomes comuns da boipeva ser justamente, cobra-chata.

Be the first to comment on "Boipeva, serpente não peçonhenta comum na Mata Atlântica"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.